Nosso poder! #powerofwe

Pode parecer um pequeno passo, mas enormes saltos foram precisos serem feitos para permitir que
o homem alcançasse horizontes jamais sonhados[1] [2].

Quero que você faça um esforço mental. Relaxe, não irei pedir para fazer nenhum cálculo ou coisa do tipo. Quero que você se imagine no final de julho de 1969. Mas quero que você realmente se insira nessa data. Esqueça tudo de tecnológico e moderno que temos hoje. Iremos usar apenas aquilo que existia na época. Os meios mais modernos de comunicação eram o telefone e telégrafo. Os computadores mais potentes tinham um poder de processamento de uma calculadora simples de hoje em dia. Resolver os problemas de cálculos complexos eram feitos usando apenas um lápis (ou vários deles), muitos papéis e massa cinzenta. Todos os dados gerados são salvos em grandes fitas magnéticas pesadas. Pensando assim pode até não parecer mas a NASA era assim na época em que mandaram o homem para a Lua.

Os milhares de cientistas, engenheiros, técnicos e até mesmo o responsável por fazer café (pense nos milhares de litros que ele deve ter feito para alimentar o estresse desse pessoal) foram de fundamental importância para que dois jovens senhores pulassem por pouco mais de um hora na Lua. Toda uma nova tecnologia e Ciência teve se der construída a fim de realizar o desejo de irmos além de tudo que tínhamos feito. Sim, sei que o contexto histórico ajuda a explicar esse desejo de conquistar o espaço[3] mas não esqueçamos de grandes revoluções pessoais, que foram sendo conquistadas a fim de se somar ao todo.

Entretanto essa história não começa na NASA ou com o Kennedy dizendo que até o final daquele século o homem estaria pisando na Lua. Essa história é apenas uma das conclusões que reúnem o esforço de muitas pessoas, anônimas ou famosas.

Comecemos com ele, Robert Goddard. Mas você pode estar se perguntando, que é esse cidadão? Digamos que ele ele via em rojões e foguetes de festas uma coisa além. Ele sabia, desde criança, que a energia liberada durante a subida de um foguete de festa poderia ser aproveitada de modo a levar coisas para cima. Ele até mesmo escreveu um livro sobre a possibilidade de um foguete alcançar a Lua[4]. Durante sua vida produtiva, deixou mais de 200 patentes de foguetes que ajudaram, e muito, o desenvolvimento dos foguetes que levaram o homem à Lua. Atualmente ele é considerado o pai dos foguetes modernos.

Uma das propostas de Goddard para os foguetes alcançarem grandes altitudes e voarem até mesmo no vácuo é devido a um fenômeno que foi registrado e escrito por um Sir alguns séculos antes. O princípio da ação e reação é a terceira lei de um dos físicos mais conhecidos da história: Sir Isaac Newton. Embora muita história exista em volta desse personagem científico, Newton fez a humanidade dar os famosos saltos de conhecimento. O Principia descreve o movimento relativo dos corpos físicos. Suas leis são ditas universais por se aplicarem a praticamente qualquer ponto do Universo. O sua fórmula mais famosa, muitíssima utilizada no ensino médio "F = m . a" permite fazer cálculos de força para enviar um foguete para cima[5] e foi muito útil para permitir que os cientistas enviassem as sondas Voyager para o espaço afora.

Seus cálculos e suas leis foram de fundamental importância para fundamentar, de vez, as leis de um astrônomo alemão que mudou a forma de vermos o movimento dos corpos celestes. Johannes Kepler mudou a astronomia ao afirmar que os corpos não se moviam de forma circular, como Aristóteles e Ptolomeu juravam ser[6], mas sim em forma de elipse. Além disso, suas leis mostravam que a velocidade dos corpos celestes mudavam de acordo com sua posição em relação a outros, devido à interação gravitacional. Mas Kepler não teria conseguido teorizar tanto sobre o movimento planetário se não tivesse acesso aos trabalhos de outro cientista, o conhecido dinamarquês Tycho Brahe, um excelente astrônomo observador mas se perdia em festas (ou um nariz, coisa normal) e poderia ter chegado às mesmas ideias de Kepler se analisasse os próprios dados com carinho.

Eu poderia, obviamente, continuar esse aprofundamento histórico até os mais profundos registros que temos sobre os avanços científicos (até mesmo antes de existir o trabalho científico). O que eu queria mostrar a você, leitor, é que a soma dos trabalhos de várias pessoas (que poderia, a princípio, apenas explicar um evento e encher a cabeça dos estudantes de coisas "sem utilidade") são na verdade grandes pequenos avanços, onde o resultado no futuro pode ser um pequeno ser, microscópico em relação ao Universo, mas realizando um dos maiores saltos que já deram em toda a sua existência. O poder de nós é a soma de nossos trabalhos em busca de algo maior e as distâncias e as dificuldades que enfrentamos se tornam insignificantes.

Informações extras:
[1]: a frase na legenda da foto começa com a clássica frase de Neil Armstrong, morto esse ano (2012), "um pequeno passo para o homem, mas um grande salto para a humanidade". Entretanto, o que pouca gente sabe é que, o homem que aparece na maioria das fotos não é Armstrong, o primeiro a pisar na Lua, e sim de Edwin "Buzz" Aldrin. Armstrong tirou a maioria das fotos, como a que ilustra esse post.

[2]: e, de certa forma, esses horizontes já foram sonhados antes de serem conquistados. Júlio Verne, um dos maiores escritores de ficção da história, já havia sonhado com essa possibilidade ao escrever ao seu 'De la Terre à la Lune' (Da Terra à Lua) e inspirado o mágico e precursor do cinema George Méliès em um dos mais famosos filmes antigos conhecidos, o "Le voyage dans la Lune" (A viagem à Lua). O filme, em domínio público (com a clássica cena do foguete acertando o olho da Lua), pode ser vista aqui.

[3]: seria ignorância de minha parte deixar de lado a 'Guerra Fria' e a corrida espacial. Óbvio que a rivalidade entre os americanos e soviéticos alimentou os nossos passeios para fora da Terra; afinal de contas, os soviéticos foram os primeiros a mandar coisas para o espaço (Sputnik, a famosa Laika, o Yuri "Terra é azul" Gagárin) e parece que sempre existiram humanos pensando errado e humanos que se aproveitam do errado e pensam em algo certo e produtivo. A Ciência se aproveitou desse momento e fez magníficos avanços, que podem ser sentidos até hoje (e possivelmente por muitos e muitos anos à frente).

[4]: Carl Sagan em 'Cosmos' havia dito que Goddard para não ser ridicularizado disse que desejava ir à Lua. Entretanto, escondido dos holofotes da imprensa, Goddard deseja ir mais longe: ir à Marte. Hoje ainda não fomos pessoalmente a Marte mas fizemos enormes avanços estamos chegando bem perto, com sondas e robôs descobrindo e preparando o terreno para, em um futuro breve, estarmos deixando nossos passos por lá.

[5]: na vida real os cálculos recebem uma certa modificação desse ensinado nas escolas pois a massa dos objetos em movimento (no caso um foguete) está sempre mudando (afinal de contas, o combustível que ele leva está sendo queimado e ejetado para fora do corpo).

[6]: era natural pensar nessa forma, visto que faz sentido em uma primeira análise (pegue uma pedra amarrada em uma corda e a gire. O movimento é circular) e que, desde a época aristotélica, o círculo (a esfera) era visto como algo perfeito. Como o Cosmo era perfeito, os corpos celestes deveriam se mover de forma perfeita e como a esfera era perfeita, seria sensato pensar nele como a forma do movimento. Entretanto a Ciência não trabalha desse jeito. Como disse Dawkins, a Ciência substitui o nosso pré-conceito particular por evidências verificáveis e publicáveis.

Esse post faz parte da postagem coletiva incentivada por Blog Action Day. Esse ano o tema é sobre o "Poder de Nós". Pequenas ações podem levar a grandes mudanças em nossas vidas. Participe desse movimento você também. Publique no Twitter ou no Facebook algo interessante sobre o tema e use a hashtag #powerofwe ou #bad2012 para divulgação. Tem um blog? Se inscreva no site e publique alguma coisa sobre o tema hoje, dia 15 de outubro. =D

Imagem disponível em NASA. Logo do BAD é uma divulgação. Com informações em Wikipedia (várias páginas).

Nenhum comentário:

Postar um comentário