Antropoceno: a nossa época

A geologia pinta a paisagem natural. Será que estamos vivendo uma nova época geológica?

A ideia de que as coisas antigamente eram diferentes de hoje não chega a ser novidade para ninguém. Isso vale desde as coisas mundanas, quando os adultos de hoje se gabam do fato que antigamente o Kinder Ovo custar um real as coisas custarem menos que hoje ou atualmente temos mais acesso a tratamentos médicos que a meros 15 anos atrás.

Mas aos olhos de um cientista natural, as coisas mudam de modo dramático quando se olha a paisagem que o cerca. Para um biólogo ou um cientista da terra (como um geólogo), as coisas do passado (milhões de anos atrás) mudaram drasticamente para o que temos recentemente. Isso é muito bem documentado nas diversas camadas de rochas que se sobrepõem uma a outra. Ela nos revela sua idade, os organismos que passaram por ela e, de quebra, nos dá ideia de como eram as coisas no passado.

Os cientistas verificam padrões que emergem das rochas e, como bons cientistas, começamos a classificar e rotular o tipo de rocha relacionado com sua idade e tipo de informação incrustada nela, como os fósseis. Se, ao estarmos em campo, vemos uma camada de rocha com uma grande diversidade de peixes, que diferem enormemente das camadas inferiores e superiores, podemos suspeitar que a camada que estamos nos referindo seja do período Devoniano da era Paleozoica (olhe na imagem ao lado, está entre as faixas de cor azulada). Apenas com isso, conseguimos ter uma ideia da idade estimada dessa rocha: entre 410 a 360 milhões de anos atrás[1].

Atualmente estamos vivendo o período Quaternário dentro da era Cenozoica (as cores mais quentes no topo da imagem). Dentro desse período, existem épocas que facilitam a divisão de um grande período de tempo para seu entendimento. O Quaternário é, atualmente, dividido em duas época: o Pleistoceno, que vai de cerca de 2,5 milhões de anos até cerca de 11,5 mil anos (sim, a imagem está com datas diferentes, mas se atente mais ao desenho em si) e a época Holoceno que se estende de 11,5 mil anos até o período atual.

A separação entre o Pleistoceno e o Holoceno se deu com o fim da última era glacial e é conhecida por abranger toda a atividade humana moderna, incluindo o advento da agricultura e do sedentarismo[2] e de toda as civilizações conhecidas.

Por essas e outras, o período Holoceno é conhecido, informalmente (já que ele não é aceito como oficial pela Comissão Internacional sobre Estratigrafia da União Internacional de Ciências Geológicas) de período Antropoceno.

A alegação do uso, por muitos cientistas, é que a atividade humano começou realmente a ter impacto com o advento da agricultura e dos modos de vida sedentários. Antes disso, éramos como os demais animais que existem na Terra: estar sempre mudando e em busca de comida e dificilmente estar em grupos volumosos. Com o entendimento de como a terra funciona para produção de alimentos e a criação de gado, o ser humano começou a ter tempo para criar e ampliar possibilidades até então jamais imaginadas. Para eles, o impacto que o ser humano infringe na Terra já o suficiente para ser incluído como um época do período Quaternário.

Outros cientistas, são mais específicos com a data e sugerem, por exemplo, que a época Antropoceno se inicie por volta do século XVIII, onde a Revolução Industrial mudou radicalmente a paisagem natural, com a emissão pesada de gases poluentes e de efeito estufa e gerando uma grande mudança do modo de vida do humano. Abaixo está um excelente vídeo apontando para uma nova época, o Antropoceno.


Acho a ideia da época Antropoceno plausível, visto que, de fato, o ser humano mudou a paisagem natural. Basta olhar ao seu redor, praticamente toda a superfície da Terra é tocada pelo humano (o que, se formos ver em questão evolutiva, a espécie humana é um sucesso: alta taxa de reprodução e ocupa praticamente todos os ecossistemas existentes). Mandamos missões que começam a mudar a cara de paisagens fora da Terra, como a Lua e Marte. Entretanto, acredito que não devemos nos precipitar em sair classificando uma nova era só por que ela faz sentido. Mais pesquisas e estudos devem ser levantados antes de ser dado uma opinião 'oficial', dado pela Comissão Internacional de Estratigrafia.

Felizmente é assim que a Ciência funciona. =D

Informações extras:
[1]: obviamente muita coisa tem que ser levada em consideração antes de sair andando por aí e achando que tal rocha é de tal período (ou de, simplesmente por sair andando você vai tropeçar em fósseis). Assim como Indiana Jones passava bastante tempo nas bibliotecas estudando mais sobre o que estava pesquisando, uma boa pesquisa é essencial para fundamentar suas opiniões e nortear seu trabalho. O Colecionadores de Ossos, da gente fina Aline Ghilardi, nos dá uma ideia do trabalho duro de ser um paleontólogo.

[2]: não, esse sedentarismo não é o mesmo que usamos corriqueiramente, com o significado de não praticar atividades físicas. O sedentarismo que se refere é o posto da vida nômade, onde os grupos humanos teriam que estar sempre viajando em busca de alimento e bons lugares. A vida sedentária acontece quando o homem descobre as técnicas de agropecuária e se assenta na terra. Como não tem mais necessidade de viajar, o homem acaba ficando no mesmo lugar por inúmeras gerações. A consequência é previsível: o surgimento dos primeiros aglomerados humanos, as cidades.

Com informações de Wikipedia, aqui e aqui também. Imagem que abre a postagem por ~gjohnstonphoto em seu deviantART. A escala do empo estratigráfica foi feita por Ray Troll e está disponível aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário