O Tamanho da Lua

 

A Lua sempre encantará as pessoas... 

Oh, a Lua, cúmplice dos apaixonados nas quentes noites de verão, sendo entoada pelos poetas e desejada pelos ratos por ser o maior queijo do Universo.

Cientificamente falando, a Lua é o satélite natural da Terra, composta basicamente de ferro e alumínio. Foi o primeiro corpo celeste a ser visitada pelo homem (nota de curiosidade: os astronautas da missão Apollo XI disseram que a poeira que ficou presa na roupa, em contato com o oxigênio da cabine tinha cheiro de pólvora. (mas não tinha isso na Lua, ok?)).

Com o diâmetro de mais de 3.400 km, a Lua tem mais de 1/4 do tamanho da Terra e está apenas um segundo-luz de distância de nós. Ah, e antes que eu esqueça: o tamanho da Lua é sempre o mesmo.

Wesley, é meio óbvio que o tamanho da Lua seja sempre o mesmo. Não há necessidade nenhuma em dizer isso. Pois é, eu sei… acontece que algumas pessoas podem esquecer disso quando olham para a enorme Lua no horizonte e, na mesma noite, a observam pequena em zênite.

Está na cara que a Lua não começa grandona no céu e vai emagrecendo (algumas mulheres seguem a dieta da Lua. Será que é isso?) até ficar bem pequenina no céu bem sobre nossas cabeças e depois ir engordando de novo até se por no horizonte (acho que não esse tipo de dieta: emagrecer e engordar em menos de 24 horas deve ser o maior pesadelo de qualquer mulher. Efeito sanfona relâmpago).

Sabemos que a Lua não muda de tamanho mas a vemos mudar de tamanho. Como isso é possível?

Você sabe que a Terra gira em torno do Sol, que os demais planetas giram em torno do Sol (os planetas do Sistema Solar e não aqueles chamados de exoplanetas que são planetas que giram e torno de outras estrelas pertencendo a outros sistemas) e que a própria Terra gira. Então, é isso que você vê daqui do chão? Ou para você, nobre terráqueo, que gira na verdade é todo o resto em volta da gente? O geocentrismo perdurou  por muito tempo pois visualmente fazia sentido.

Mas sabemos que na verdade, o ingênuo vassalo da Idade Média europeia estava sendo vítima de uma ilusão. E é a mesma coisa que deve estar acontecendo com você quando observa a Lua.

Durante muito tempo acreditou-se que a nossa visão fosse como uma rodovia de mão única: as informações entravam nos olhos e era processada no cérebro para que aquilo que você estivesse vendo fizesse sentido. Mas hoje sabemos que a nossa visão é uma rodovia de mão-dupla: as informações entram e saem. Fique tranquilo: seus olhos não vão começar a emanar luz. Acontece que as informações que chegam dos olhos são alteradas para que a realidade faça mais sentido. E isso se aplica quando você observa a Lua.

Seu cérebro acredita que  tudo que está mais próximo do chão deve estar mais perto de você. Por o objeto estar longe, a imagem acaba aumentando de tamanho. E quando a Lua está rumando ao zênite, seu tamanho diminui pois o cérebro acha que ela está mais longe e seu tamanho fica reduzido. Sem falar que sem o apoio do horizonte (árvores e prédios por exemplo) para ajudar o cérebro a se calibrar as informações acabam sendo menos erradas.

Um teste simples pode mostrar isso: pegue uma moeda de 50 centavos por exemplo e, com o braço esticado, coloque “ao lado” da Lua e compare os tamanhos quando ela estiver no horizonte e depois quando ela estiver bem sobre sua cabeça. Vai estar a mesma coisa! Sem o apoio da moeda “as Luas” parecem de tamanho diferente mas ao colocar a moeda “ao lado” a coisa toda fica a mesma.

Mas fiquem tranquilos os casaizinhos apaixonados e os poetas que se inspiram no maior queijo já registrado pois embora o que vemos possa ser uma ilusão, a imagem que temos dela é de beleza e mistério que encantou e ainda encanta a humanidade…

P.s.: este é o meu primeiro post que escrevo de meu quarto a 150km de casa. Agora que virei universitário a coisa muda de figura. Como o meu computador ainda não veio comigo, escrevi esse post à moda antiga: a base de papel e caneta. Estava olhando pela janela quando vi uma esfera amarelada enorme se pondo ao fundo das luzes da cidade. As ideias começaram a vir naquela momento e não deu outra. Se os posts ficaram mais escassos, já sabem do motivo. Até em breve.

Imagem por *no-soap-was-harmed no DeviantART aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário