Popularizando a Biologia...

A bancada de Zoologia de Vertebrados fez sucesso entre a criançada!
Veja mais imagens bacanas feitas no dia, clicando aqui.

Para os nobres amigos e visitantes mais assíduos não é nenhuma novidade que eu esteja fazendo faculdade de Biologia (qualquer coisa, veja meu rápido perfil aqui do lado no próprio blog). Acontece que para muitas pessoas, a Biologia é apenas mais uma matéria chata no currículo que não serve para muita coisa (sabe que mexe com os bichos e plantas e fala de doenças). Entretanto para os 'iniciados' em Biologia sabemos que não é bem assim[1]: a Biologia estuda um dos fenômenos mais complexos que temos conhecimento: a vida[2].

O biólogo tem que ter um arcabouço básico de conhecimento em outras áreas além das matérias da vida para compreendê-la. Física e Química são comuns na grade curricular em Biologia, além de Estatística e Matemática. Com isso, o foco de atuação do biólogo é enorme: começando pela Biologia Molecular, passando pela Genética, indo para a Fisiologia, Anatomia, Embriologia, Sistemática, Ecologia e Evolução. Transpor esse conhecimento para as pessoas pode se tornar complicado visto que, a princípio, muita coisa é importante ser transmitida. Isso acaba transformando a matéria de ensino médio 'Biologia' algo enfadonho pois não passa de uma matéria de um monte de palavras e coisas diferentes[3].

Entretanto é possível aproximar um pouco mais o conhecimento biológico das pessoas de modo menos teórico, podemos assim dizer. Participei, juntamente com muitos colegas e amigos da Biologia da Unesp do primeiro 'Bio na Rua', que aconteceu no quente domingo, dia 28 de outubro, no Jardim Botânico de Bauru. O objetivo foi mostrar para os visitantes um pouco do que aprendemos na faculdade de um jeito mais descontraído e informal. O resultado foi muito positivo (para a primeira versão desse evento na cidade): cerca de 400 pessoas compareceram no dia e puderam ver muitas bancadas de diversos temas (Zoologia, Saúde, Genética, entre outros) e aprender um pouquinho mais sobre alguns assuntos do mundo biológico.

Deixo aqui, também, uma reportagem que foi exibida na TV Tem (afiliada Rede Globo) sobre o Bio na Rua[4].

Gostei muito dessa experiência e espero muito que esse tipo de coisa aconteça nos próximos anos. Parabéns a todos que organizaram e participaram desse projeto!


Algumas imagens do Bio na Rua.
Informações extras:
[1]: óbvio que a rota bioquímica de qualquer coisa ou o ciclo de não sei quem, seja algo eletrizante, mas é interessante.

[2]: como bom biólogo eu tenho que defender minha área. Entretanto é sensato pensar que a Física ou a Química são áreas da Ciência que tratam de fenômenos também complexos. A Biologia tem o papel de, além de juntar o conhecimento físico-químico, a interação que tudo isso dá para a vida. O assunto é tão complexo que até hoje não temos uma definição clara para o que é vida. Diversos autores tentaram (todo estudante de Biologia conhece o Mayr, por exemplo) entretanto como vemos os autores acabam caracterizando a vida e não a definindo (eles dizem "a vida tem" e não "a vida é"). A falta de uma definição clara para a vida (o foco de estudo do biólogo) talvez represente um dos maiores problemas da Ciência Biológica teórica atual.

[3]: o mundo da Biologia necessita dar nome às coisas. Como são muitas coisas nos seres vivos, é de se esperar muitos nomes. Obviamente estruturas que possuem a mesma origem ou a mesma função por vezes recebe o mesmo nome, como os ossos que compõem os membros dos vertebrados (possuem a mesma origem evolutiva) ou 'asas' de insetos e 'asas' de aves (mesmo possuindo origens embrionárias e evolutivas diferentes, elas possuem a mesma função).

[4]: infelizmente não consegui 'embedar' o vídeo na postagem. E a moça loira que está falando sobre as bactérias na placa de Petri é minha namorada! ♥

Com informações em Jardim Botânico de Bauru (é possível ver mais imagens do evento). Imagem por Guilherme Sementili em divulgação no Facebook.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Árvore da Vida

Pontos brancos nos olhos e a visão humana...

A mágica do diagnóstico - post 2