Calendário Cósmico 09

Os primeiros seres que começaram a se multiplicar usando
a reprodução sexuada tiveram uma enorme vantagem em relação
aos seres que continuaram se multiplicando sem
troca de informações genéticas.

30 de Novembro
01:51:07 - Primeiros momentos de diversão...
Equivalente ao tempo real: 1,2 bilhão de anos atrás

Embora a espécie humana faça do sexo algo além da procriação (tanto que somente o mercado norte-americano movimentou cerca de US$ 13 bilhões de dólares em pornografia), a reprodução sexuada foi uma das grandes conquistas da vida (não precisam levantar esse sorrisinho maroto do canto da boca).

De fato, o surgimento da reprodução sexuada permite que organismos similares possam trocar informações genéticas. Com isso, aumenta-se a variabilidade genética da população. Com a população mais variada, corre-se menos riscos de, caso algum mal sobrevenha a população (mudanças no ambiente, por exemplo), parte dela sobreviverá. O ponto negativo é que, a cada geração que surge, os indivíduos vão diluindo a informação genética dos seus antepassados. Por exemplo, você está lendo esse post pois seu papai e sua mamãe se conheceram e ficaram juntinhos. Você possui 50% da genética de seu pai e 50% da genética de sua mãe. Ou seja, o material genético de um indivíduo (seu pai, por exemplo) se reduziu à metade. Agora digamos que você tenha um filho. O material do seu pai, que era 50% diminuiu ainda mais no seu filho. Ele ficará com apenas 25% do material original (e com 50% seu). Com o passar das gerações, a informação original sempre cai a metade. Mas a vantagem de ter uma maior chance de sobreviver é maior e, portanto, a natureza não ligou muito em saber que seu bisneto tem pouco mais de 12% de você...

Graças à reprodução sexuada e a maior variabilidade genética foi possível ocorrer uma mais rápida multiplicação dos seres viventes, dominando cada vez mais os ambientes da Terra.

Com imagens por ~Red-Revolver. Com informações por HSW.

Nenhum comentário:

Postar um comentário