9 Meses - post 7

Nada melhor que assistir um filmezinho com a pessoa que você ama...

Futuro bebê
Na TV, uma lista de atores e atrizes que elencaram o filme começava a subir acompanhada de uma alegre música. Carlos se levanta e aperta o botão para ejetar o disco blu-ray do leitor. Ana, um tanto sonolenta em um canto do sofá, sorri para Carlos quando este volta ao sofá.

-- Com sono, meu amor? - pergunta Carlos abraçando-a.

-- Um pouco... mas pela primeira vez eu não dormi enquanto assistia o filme - disse, coçando levemente os olhos com as mãos fechadas. Carlos ri.

-- Ana, você poderia continuar a contar a historinha que começou hoje durante o almoço[1]...

-- Hum... - Ana acorda surpresa por saber que o marido está realmente interessado em saber, visto que ela própria havia esquecido da promessa - bom amor, deixe eu pegar um livro onde tem as ilustrações que irão te ajudar a entender melhor - Ana levanta e empina o bumbum para Carlos com um sorriso maroto no rosto. Logo em seguida ela volta com o pesado livro de embriologia que usara durante a graduação.

-- Meu Deus, onde você achou esse livro? - perguntou Carlos, não reconhecendo o livro da biblioteca de Ana.

-- Esse livro estava escondido dentro do guarda-roupa e achei esses dias enquanto limpava a casa. Eu o usava enquanto estava na graduação. Nunca gostei de pegá-lo para ler, mas as imagens são muito boas. Ele vai ajudar você a entender algumas coisas. Pois bem, lembre que disse que enquanto as coisas do lado de fora estavam se modificando por conta do trofoblasto?

-- Ah sim, me lembro - disse, com uma expressão que duvidava de si próprio - é aquele em que ele vira um 'sincialgumacoisa' e mais não sei o que lá, né?

-- Isso, sinciciotrofoblasto e citotrofoblasto[2]. Bom, agora vamos falar do que era para estar acontecendo no lado de dentro enquanto isso, tá? Bom, você lembra que o embrião até aí é uma bolinha de células composta por três coisas: uma camada de células externa chamada de trofoblasto, um amontoado de células no lado de dentro chamado de embrioblasto e um espaço preenchido por líquido chamado de cavidade do blastocisto.

Desenho esquemático da implantação do blastocisto no endométrio. Em 'A' podemos ver as estruturas
que constituem o blastocisto, em destaque para a cavidade preenchida por líquido, denominada
cavidade do blastocisto. Em 'B', as células do trofoblasto em contato com o útero começam a se
multiplicar enormemente e formam uma única massa celular denominado sinciciotrofoblasto.
Vemos que o tecido epitelial possui vários capilares sanguíneos e glândulas que ajudarão o embrião
em seus primeiros dias.

-- Sim, essa parte eu me lembro...

-- Pois bem, assim que o embrião começa a se implantar no endométrio, o embrioblasto começa a se modificar. As células que os compõem começam a ficar organizadas e é nítido vermos três camadas de células. Em seguida, a medida que o blastocisto vai se implantando, a primeira camada de células - disse, apontando para a imagem - se separa por causa de acúmulo de líquido. Essa camada de células que ficam acima é chamada de âmnion e o líquido que irá acompanhar o bebê durante toda a gestação é chamado de líquido amniótico.

Desenho esquematizando as etapas seguintes a nidação. O
embrioblasto sofre modificações onde surgem três camadas de
células, visto em 'C': a primeira, o âmnion, onde retém o líquido
amniótico que envolverá o futuro bebê. A segunda camada é o
epiblasto e a terceira é o hipoblasto. De suas células surgirão
uma camada de células que cobrirão por dentro o citotrofoblasto
da cavidade. Em 'D', essas células de origem hipoblástica se
multiplicarão e darão origem ao mesoderma extraembrionário,
destacando o embrião da estrutura externa.

Para ver uma versão colorida, clique aqui!

-- Hum, que interessante... é por causa disso que vem o nome dessa água que circunda o bebê? Dessa única camada de células!

-- Para você ver... essa única camada de células é uma características importante na Biologia, mas isso poderemos falar um outro dia, tá? - concorda o marido com a cabeça[3] - continuando, as duas outras camadas, que formam esse disco abaixo do âmnion recebem o nome de epiblasto, a mais próxima do âmnion, e hipoblasto, a camada mais abaixo. Está entendo até agora?

-- Bom, sim. Você sabe que não sou muito bom em guardar nomes, mas estou entendendo o desenvolvimento da coisa toda... pode continuar, se quiser.

-- Legal! Então, está vendo o hipoblasto? As células da borda irão se multiplicar rapidamente e elas começarão a descer pelas laterais, acompanhando o citotrofoblasto por dentro, criando um forro interno. Essa camada de células recebem o nome de forro hipoblástico. Quando isso acontece, a cavidade do blastocisto muda de nome, já que ela está sendo fechada por uma camada de células nova, certo? - Carlos concorda com a cabeça, mesmo não achando necessário trocar de nome - Essa cavidade recebe o nome de cavidade exocelômica. Agora vem a parte legal. As células do forro hipoblástico começam a se multiplicar e as células ficam entre essa células do forro e o citotrofoblasto. Essas células formam uma massa que simplesmente começa a desprender tudo do lado de dentro do citotrofoblasto. Essa massa é chamada de mesoderma extraembrionário. Extraembrionário pois está fora do que virá a ser o embrião, certo? E mesoderma pois significa "pele do meio", tudo bem?

-- Aham... continue, está ficando interessante - Ana dá um suspiro de satisfação. Conseguiu prender o marido na história.

-- Então, ao fazer isso, o forro hipoblástico recebe o nome de endoderma, que significa "pele de dentro". Mais para frente ele será responsável por surgir órgãos importantes no organismo. E a cavidade exocelômica recebe agora o nome de saco vitelino primário.

-- Ah, é ele o saco vitelino que ouço falar por aí?

-- Exatamente... bom, estou quase terminando, tá? - Carlos concorda com a cabeça - bom, a mesoderma extraembrionária começa a acumular líquidos que veem da mãe. Lembre-se que tudo isso está se fixando aos poucos no endométrio materno. Ela começa a criar bolsas de líquido que, com o passar do tempo vão se acumulando e formando uma única bolsa de líquido, que chamamos de celoma extraembrionário. Esse celoma irá criar uma pressão no saco vitelino primário removendo uma parte do mesmo. Essa parte removida será reabsorvida aos poucos. O que resta será o saco vitelino secundário! - e nisso, apontando para o esquema no livro - está vendo aqui, o celoma começa a comprimir a mesoderma extraembrionário, criando esse pedículo. Esse pedículo será o futuro cordão umbilical!

-- Que legal!

Desenho esquematizando a continuação do desenvolvimento embrionário. Em 'E', vemos que o mesoderma
extraembrionário começa a ter bolsas de líquido que, com o tempo, se acumulam em uma única bolsa,
denominada de celoma extraembrionário, visto em 'F'. Já em 'G', vemos uma expansão das células do
citotrofoblasto formando as vilosidades coriônicas primárias. A medida que o celoma extraembrionário
vai aumentando de tamanho, o mesoderma começa a se comprimir em uma região, chamada de pedículo.
O pedículo do embrião será o futuro cordão umbilical. O aumento do celoma extraembrionário remove uma
parte do saco vitelino primário, que logo desaparece.

Para ver uma versão colorida, clique aqui!

-- Bom querido, o embrião estará aproximadamente nesse estágio de desenvolvimento caso a mulher esteja na segunda semana de desenvolvimento embrionário.

-- E o que acontece depois?

-- Não coloque o carro na frente dos bois... na semana que vem eu te conto o que vai acontecer, tá? Então não perca as cenas dos próximos capítulos - disse, com um sorrisinho discreto, mas aparentando estar com sono.

-- Pelo visto meu amor está com sono - ela concorda com a cabeça. Carlos apoia a cabeça de sua amada em seu peito - depois dessa aula, acho que até o futuro bebê está com sono - Ana sente um frio na barriga ao ouvir isso.

-- Ai querido, será?

-- Quem sabe amor, quem sabe... vamos para cama...

Informações adicionais:
[1]: Carlos se refere às modificações que ocorrem no lado externo do blastocisto em que Ana explicou mais cedo à ele. Essa história está no post anterior da série.

[2]: Veja no post anterior para saber o que eles estão falando.

[3]: o âmnion é uma das características que reúnem todos os animais tetrápodes conhecidos, exceto os anfíbios. Os Amniota reúne todos os "répteis", aves e mamíferos conhecidos.

Créditos da imagem que inicia o post estão nela mesma. Desenhos esquemáticos feitos por mim, protegidos por CC. Desenhos em anexo feito por Lívia Guiraldi, protegidos por CC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário