9 Meses - post 24

Carlos e Ana sentiram um friozinho na barriga por motivos diferentes. Um bom momento
para uma explicaçãozinha sobre o que se passa com a futura bebê do casal.

Frio na barriga!

O quente dia foi substituído por uma agradável noite. O céu limpo mostrava algumas estrelas mais brilhantes que conseguiam romper a iluminação das lâmpadas de vapor de sódio. No quintal, o casal olhava para o céu sentados em suas espreguiçadeiras. Uma jarra de suco de acerola com laranja suava de tão gelada, acompanhado de dois copos com um pouco de líquido dentro.

Ana ao pegar o copo para tomar um pouco de suco, se surpreende ao ver Carlos olhando para ela. Meio sem jeito de estar sendo observada pelo próprio marido, pergunta:

-- O que você está olhando, Carlos? - disse, com um sorriso no rosto.

-- Ora, para a mais bela mulher do mundo - responde.

-- Por favor, olhe para mim, estou grávida, gorda e comendo sem parar.

-- Então estou olhando para a mais bela futura mãe do mundo - Carlos sabia que era um grande galanteador quando jovem, fazendo várias moças se deliciarem com seu palavreado. Como há tanto tempo não o praticava, não sabia se daria hoje em dia.

-- Seu bobo - Ana sorri, com os olhos brilhantes para Carlos. "Uhuu", pensou Carlos.

Nesse momento o telefone toca. Carlos levanta rapidamente para atendê-lo. Minutos depois Carlos volta, um tanto entristecido, para fora. Ana rapidamente pergunta:

-- Carlos, o que houve?

-- Sua mãe ligou avisando que virá amanhã para almoçar - Carlos dá um longo suspiro.

-- Carlos, vá assustar sua mãe! - diz, sentindo um leve frio na barriga - E nem sei por que faz isso: você adora ela - Carlos mostra a língua em sinal de brincadeira para Ana, que já estava pensando em que servir para mãe no domingo.

-- Amor, depois você pensa no que servir para sua mãe. O almoço me fez lembrar que você ia continuar a contar sobre como nossa bebê se alimenta.

-- Ah sim... ai amor, é que você está fazendo a pergunta errada. O nosso bebê está se alimentando desse jeito dentro de mim. Você quer saber como estão se desenvolvendo as estruturas que ela usará para se alimentar, certo? - Carlos pondera e vê que realmente perguntou do jeito errado e concorda com a cabeça.

-- Então amor, é assim: lembra quando eu disse que o trato digestivo do embrião é dividido em intestino anterior, médio e posterior?[1] - o marido faz uma careta, forçando puxar alguma coisa da memória - pois bem. Existe uma porção do intestino anterior, quase próximo ao intestino médio, que é nutrido por um vaso sanguíneo que sai diretamente da artéria dorsal. Esse vaso é chamado de tronco celíaco. Esse tronco celíaco leva nutrientes e oxigênio para essa porção do intestino anterior.

-- Entendi.

-- Agora que vem a parte mais interessante: a porção mais dorsal desse intestino anterior, ou seja, a parte do tubo mais voltada para as costas, recebe esse sangue primeiro. Como ele recebe esse sangue primeiro o vaso, ele recebe mais nutrientes que o outro lado do tubo intestinal, certo? - o marido concorda com a cabeça - pois bem, esse lado que recebe primeiro o sangue começa a ficar maior, devido as intensas multiplicações celulares que estão ocorrendo ali. Com o passar do tempo, esse tubo começa a ficar com um aspecto de balão, mais crescido de um lado do que de outro. - o marido concorda com a cabeça, imaginando as coisas acontecendo. Ana continua:

-- Então, para acomodar essa bolsa que está crescendo, essa estrutura acaba virando 90º em direção à esquerda - o marido fica surpreso ao saber que os órgãos podem se mover dentro da gente enquanto nos desenvolvemos - Você sabe que, enquanto isso está acontecendo, outras coisas estão acontecendo para formar outros órgãos, certo? - Carlos concorda - então, quando ele gira para a esquerda, ao mesmo tempo ele vai rodando para como se fosse ficar deitado na gente, assim - disse Ana, girando as mãos.

Desenho esquematizando o desenvolvimento do estômago. Em 'A', vista ventral de um embrião
de sete semanas, mostrando a visão que teremos nos cortes 'B', 'C' e 'D', onde a porção ventral
(a frente do embrião) foi cortada para vermos o que ocorre dentro dele. Em 'B' um embrião de 3 semanas
mostrando um maior desenvolvimento na porção dorsal do intestino anterior que a porção
ventral. Vemos em 'C' e em 'D' a evolução do desenvolvimento e a rotação do estômago, com
cinco e sete semanas, consecutivamente.
O tecido que envolve o estômago (mesogástrio) é o tecido que sustenta os órgãos na região abdominal
e ele se liga da porção dorsal à ventral.

-- Nossa, que interessante...

-- Sim, e assim é que surge o estômago, local onde os alimentos serão quebrados em partes menores por enzimas e pelo ácido gástrico.

-- Então o estômago não surge na gente no local dele: de um tubo vira um órgão em formato de balão que gira e roda dentro da gente.

-- E isso não é nada. Durante o desenvolvimento do estômago, o fígado e os dois pâncreas se desenvolvem também - o marido absorve aquela informação e, após alguns segundos, ele fala em uma voz mais alta que o normal:

-- Dois pâncreas? Como assim dois pâncreas? Olha, eu não sou bom em biologia e essas coisas, mas que eu saiba é que temos apenas um pâncreas - Ana ri com a situação. Ela tinha dito aquilo para encher o saco de Carlos e, quem sabe, aumentar a curiosidade dele sobre o assunto.

-- Calma amor. Olha, é assim: enquanto o estômago está crescendo do jeito que eu falei, na porção do tubo abaixo dele, chamada de duodeno, aparecem, a princípio, um divertículo hepático e o broto pancreático dorsal. Bom, infelizmente tem alguns nomes chatos, mas que eles explicam o que estão fazendo, tudo bem? - Ana queria saber se o marido iria realmente entender o desenvolvimento embrionário e fetal. Ela continua:

-- Do divertículo hepático, surgem cordões de células que começam a crescer dentro dessa massa de células que "recheia" a gente. Esses cordões hepáticos vão, consequentemente, englobando células desse recheio nosso, que chamamos de mesênquima. O mesênquima tem, entre outras funções, formar vasos sanguíneos. Então, entre esse cordões que formarão o fígado, uma rede de vasos sanguíneos está se formando para nutrí-lo e permitir que o fígado realize suas funções quando nascermos.

-- Que interessante... mas, e os pâncreas?

-- Bom, do divertículo hepático surge um pequeno broto: o broto pancreático ventral. Sua constituição celular é a mesma do broto pancreático dorsal. Pois bem, quando o estômago começa a rodar, ele rotaciona esse broto pancreático ventral em direção ao broto dorsal. Como eles são feitos do mesmo tipo de células, os dois se fundem e se tornam um só pâncreas!

Etapas do desenvolvimento das glândulas anexas do sistema digestório (fígado e pâncreas).
Em 'A' vemos o desenvolvimento dos cordões hepáticos, que rapidamente começam a se especializar
no fígado, visto em 'B'. Ainda em 'B' vemos o desenvolvimento do broto pancreático ventral que ocorre
no ducto biliar (não indicado). Em 'C' vemos a rotação que ocorreu com o estômago que aproxima
os dois brotos pancreáticos, fundindo-os. Esses eventos acontecem rapidamente. 'A' e 'B' temos
um embrião de cinco semanas, aproximadamente e, em 'C', um embrião de seis semanas. Em 'D' vemos
a região do intestino anterior e médio em um feto a termo (volta de 32º semana).

-- Caramba, quer dizer que realmente nós tivemos dois pâncreas! Incrível!

-- Sim... lembrando que vimos apenas o desenvolvimento do intestino anterior e parte do médio.

-- Nossa, tem mais?

-- Claro, meu amor. Esqueceu do intestino delgado e intestino grosso que nós temos? - perguntou Ana, passando as mãos no rosto dele.

-- Verdade! E como...

-- Ai Carlos, eu explico isso para você outro dia. Olha a hora já e ainda nem pensei no que preparar amanhã para minha mãe - Carlos fecha a cara, olha para Ana e diz:

-- Viu só por que não gosto de sua mãe. Ela não deixa você explicar as coisas pra mim!

Ana dá uma gargalhada, abraça o marido e lhe dá um beijo no rosto em seguida. Em seguida, Ana levanta e parte para a cozinha, bolando algum almoço. Carlos resolve ficar um pouco mais na espreguiçadeira. Olhando para cima, ele ficou imaginando as coisas que a mulher acabará de dizer sobre o que ocorrera com sua pequena que iria nascer em breve. Fazia tempo que ele não sentia esse friozinho na barriga.

Informações extras:
[1]: essa divisão morfológica acontece durante a flexura cefálica, onde o embrião realiza seus movimentos para realizar o fechamento latero-lateral. Parte do saco vitelino se encerra dentro do embrião, formando os intestinos anterior, médio e posterior. Não entendeu muita coisa? Reveja as primeiras postagens da série '9 Meses', clicando aqui, em especial a esse post, que explica sobre o assunto.

Com imagem por ~passionphoto em seu deviantART (a descrição da foto informava que a modelo estava grávida de oito meses). Desenhos feitos por mim, protegidos por CC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário