O latim nosso de cada dia - post 1 de 3

"LVGETEOVENERESCVPIDINESQVE", no latim antigo. "Lugete, O Veneres Cupidinesque", no latim
moderno. "Lamentai, ó Vênus e cupidos", em português moderno. Embora o português derive do
latim, um leitor atual sem conhecimento do idioma antigo teria uma séria dificuldade em compreender
o idioma. Na imagem, 'O nascimento de Vênus', de Alexandre Cabanel.

Acredito que não é mistério para ninguém a ideia de que a ciência tem uma linguagem própria, uma linguagem que difere da linguagem comum. Isso faz sentido: afinal de contas, existem inúmeras estruturas, fenômenos e mecanismos ocorrendo que seria difícil a comunidade cientifica se entender se todo mundo apontasse para algo e dissesse: sabe aquela coisa que está dentro daquela outra coisa e faz essa coisa?

Embora cada ramo da ciência tenha suas palavras e seus jargões, ainda temos a presença de um idioma que permeia o meio acadêmico, não apenas nas ciências, sendo encontrado também entre os envolvidos com o direito: o latim.

O latim é um antigo idioma, inserido no ramo itálico do tronco principal indo-europeu[1][2]. O latim foi muito falado e utilizado por toda a península Itálica (Itália) na época da Roma Antiga, espalhando pela Europa a medida que os romanos iam invadindo tudo conquistando novas terras. Graças a esse tipo de avanço, o latim se tornou um idioma muito usado para fins acadêmicos, sendo usado na publicação de livros e textos. Atualmente não existem nativos que tenham o latim como idioma-mãe. Existe ainda, no Vaticano, o uso do idioma para fins burocráticos e diversas pessoas ao redor do mundo que a usam como ferramenta de estudo.

A medida que o latim foi se espalhando no mundo antigo, variações desse idioma começaram a pipocar na Europa. Na península Ibérica, vimos o surgimento do espanhol e português. Mais para cima, o francês deu as caras e, na Itália, o italiano. Sim meus caros, o francês, espanhol e italiano são "línguas irmãs" do português. Mas não temos apenas esses parentes que vieram do latim. Muitos outros idiomas e dialetos surgiram, como essa ilustração abaixo aponta.


Como disse mais acima, atualmente o latim é usado sobretudo no Vaticano, mas é usado também no mundo acadêmico, sobretudo no direito. Entretanto, no mundo científico o latim também tem vez. E é na biologia que o termo mais se encontra. Na realidade, muito do mundo natural usa palavra emprestada do latim e do grego para construir seus termos. Pense em palavras como 'astronomia' (do grego, lei das estrelas); biologia (do grego, estudo da vida); hidrologia (do grego, estudo da água); animal (do latim, dotado de ânimo, de movimento); Homo sapiens (do latim, homem sabido, esperto), entre tantos outros...

A ideia original dessa postagem era apresentar algumas palavras e termos em latim comumente usados na ciência, sobretudo na Biologia e apresentar o significado dos mesmos. Mas, vi a necessidade de criar uma breve introdução sobre o latim e tudo o mais antes de chegar definitivamente às vias de fato, o que fez o post ficar um pouquinho maior do que queria. Portanto, resolvi dividir essa postagem em mais partes do que apenas uma única.

Na próxima semana, irei abrir algumas palavras do nosso dicionário e aprender seu uso e, quem sabe, aplicá-las em nosso dia-a-dia #not #whynot?

Até lá! =D

Update:
[14/03/14] Em meu perfil no Facebook, Renato Pincelli, do Hypercubic, compartilhou uma postagem em que conta um pouco mais do latim e de sites que fornecem conteúdos gratuitos para aprender o latim. Corre lá!

Informações extras:
[1]: a língua indo-européia foi um antigo idioma falado na idade do Bronze na Europa.

[2]: todos nós sabemos que as línguas mudam com o passar do tempo. Assim como na Biologia nós organizamos a vida como uma árvore, onde as pontas dos ramos representam as espécies atuais e os galhos maiores indicam a relação entre os organismos, as línguas possuem um padrão de evolução semelhante ao biológico. Isolamento geográfico (seja o mar ou até mesmo a distância) criam padrões linguísticos diferentes. Basta você pensar no próprio português falado aqui no Brasil e em Portugal. São, nitidamente, diferentes. Entretanto, o português brasileiro falado em Pernambuco e em São Paulo são tão diferentes quanto. Tanto o idioma falado quanto escrito sofre alterações com o tempo e espaço. Um exemplo interessante é a palavra você. Antigamente ela era tratada como vossa mercê. Os escravos no Brasil, ao tratarem seus senhores, os reduziram para vosmecê. Posteriormente ouve mais uma redução para vancê e, finalmente, para você. Embora acredito ser difícil isso acontecer, imagino no futuro a palavra ser reduzida a ocê ou  ou, ainda, a vc, que escrevemos hoje na internet.

Imagem que abre o post, aqui. Imagem do mapa aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário