Imagem médica: remoção de tênia pela boca


❗❗ Atenção: contém imagens que podem ser fortes para o público mais sensível ❗❗

A teníase pode parecer uma doença um tanto distante da realidade das pessoas que vivem em grandes centros urbanos, já que sua associação com a falta de saneamento básico parece estar ligado a regiões rurais ou extremamente pobres. Apesar disso ser verdade, a teníase ainda é um problema sério em diversas regiões do mundo, inclusive no Brasil, onde é considerado endêmico.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), há 50 milhões de casos de epilepsia devido ao complexo teníase/cisticercose. Um terço dos casos ocorrem em países endêmicos para Taenia solium, que naturalmente infecta porcos e é transmitido através do consumo da carne mal processada desses animais. A OMS reforça que a incidência é maior em regiões do mundo onde esses animais são criados livres, sem condições básicas de higiene e com condições de abate totalmente informais (sem nenhum controle de higiene).

Considerado uma Doença Tropical Negligenciada visto que não grandes esforços para o combate à doença, condições de sanidade básica, como o descarte correto do esgoto e controle de higiene animal são procedimentos que aumentariam de forma surpreendente o controle da doença. Apesar do Brasil ainda ser endêmico para a doença, a doença se encontra sob controle no país[1].

Infelizmente esse cenário ainda está distante da realidade em muitos locais do mundo. Na Índia, onde a situação é muito pior que aqui: enquanto no Brasil (em 2014), cerca de 85% dos domicílios tinham acesso à água tratada e 64% ao sistema de esgoto, na Índia mais de 620 milhões de pessoas (três vezes a população do Brasil[2]) ainda defecam ao ar livre, sendo expostos a essa sujeira todos os dias. Por isso, a situação descrita abaixo acaba não sendo tão impressionante, apesar de impactar.

Publicado no fim de janeiro de 2017 no periódico The New England Journal of Medicine, os médicos Cyriac Philips e Amrish Sahney do Institute of Liver and Biliary Sciences em Nova Delhi contaram a história de um homem de 48 anos que apresentava desconforto abdominal fazia dois meses. O exame de sangue apontou uma leve anemia[3].

Exames mais detalhados mostraram que ele estava sendo parasitado por uma grande tênia (T. solium), com 1,88 m de comprimento. Estava localizada próximo ao duodeno, a primeira porção do intestino após o estômago. Os médicos resolveram extrair a tênia pela boca do paciente e iniciar o tratamento com um dos medicamentos padrões para essa verminose: praziquantel.

Reforço que a imagem e o vídeo pode não ser muito agradável para as pessoas mais sensíveis.

Retirada da tênia do paciente indiano pela boca e o verme inteiro exposto após sua retirada.

Os médicos fizeram um pequeno vídeo que está disponível para visualização no site do periódico (infelizmente não consegui incorporá-lo aqui na publicação).

📹 Veja o vídeo aqui 📹

A publicação informa que o paciente recebeu tratamento e estava assintomático após a retirada do verme.

Não sei se esse caso de retirada do verme pela boca é mais comum do que parece ou se foi apenas um caso isolado, mais raro, devido ao tamanho do verme e pela dificuldade em eliminá-lo pela via intestinal. A OMS indica o uso de laxativos para o início do tratamento, o que leva a crer que esse procedimento foi uma decisão local dos médicos que assinaram o trabalho.

Portanto, apesar dos riscos serem menores no Brasil em pessoas desenvolverem essa verminose, ainda não estamos livres dela. Consumo de carne passada (e inspecionada obtida de abatedouros certificados), além de consumir água tratada e ter um destino correto do esgoto são ações importantes para evitar que novos casos do tipo ocorram.

Rodapé:
[1]: infelizmente não encontrei dados em órgãos de saúde que corroborem essa informação. Apesar de ser um tanto achismo essa minha afirmação, a fiz baseado no aumento do acesso ao sistema de água tratada e de coleta de esgoto, além do maior controle do abate de carne consumido no país, geralmente inspecionada. Se algum leitor souber onde encontro dados recentes sobre teníase/cisticercose no Brasil comente abaixo. 😊

[2]: baseado na projeção da população brasileira realizado pelo IBGE, o qual informa que somos mais de 207 milhões de brasileiros. Disponível aqui.

[3]: 9,2 g de hemoglobina por decilitro de sangue. Os parâmetros normais são de 12 a 15 gramas por decilitro).

Imagem que abre a postagem é Taenia sp via microscopia eletrônica em Fine Art America. Imagem do paciente e verme obtida em Philips e Sahney (2017).
DONADEU, M., LIGHTOWLERS, M. W., FAHRION, A. S., KESSELS, J., ABELA-RIDDER, B. Taenia solium: WHO endemicity map update. Weekly Epidemiological Record, 49/50, 2016. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/251908/1/WER9149_50.pdf?ua=1. Acesso em: 16 fev. 2017.
PHILIPS, C. A., SAHNEY, A. Taenia solium. The New England Journal of Medicine, 376:e4, 2017. Disponível em: http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJMicm1606747. Acesso em: 15 fev. 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário